A??o, A??es, Stocks, Bovespa, Mercado Financeiro, Op??es

Mural de noticias da Alpha Fintec

TNonline: Bolsas da Europa fecham em queda, diante de avanço da covid-19
Os principais índices acionários da Europa fecharam sem direção única nesta terça-feira, 12, pressionados pelo crescente número de casos e mortes por covid-19 e pelas restrições adotadas para frear o vírus. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,05%. A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, cogitou que serão necessárias mais "8 a 10 semanas" de lockdown para diminuir a disseminação do vírus.O índice Dax de Frankfurt, fechou em baixa de 0,08%. Em Londres, o FTSE 100 fechou em queda de 0,65%.

Os principais índices acionários das bolsas europeias fecharam sem direção única nesta terça-feira, 12, pressionados pelo crescente número de casos e mortes por covid-19 no continente e pelas restrições adotadas por governos para frear o vírus. Após firmarem perdas, os mercados da Europa ganharam fôlego, seguindo as bolsas de Nova York perto do fim do pregão, de olho na crise política que envolve a possível deposição de Donald Trump da presidência dos Estados Unidos.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,05%, a 408,61 pontos.

O recrudescimento da pandemia de coronavírus segue como o principal driver dos mercados, e investidores acompanham preocupados a adoção de novos bloqueios e restrições à circulação para conter o avanço da covid-19.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, cogitou nesta terça que serão necessárias mais "8 a 10 semanas" de lockdown para diminuir a disseminação do vírus.

O índice Dax, de Frankfurt, fechou em baixa de 0,08%, a 13.925,06 pontos, após sustentar ganho modesto ao longo da maior parte do pregão. O setor automotivo foi destaque na bolsa alemã nesta terça, com bons desempenhos da Continental (+3,44%), Daimler (+1,43%) e BMW (+0,91%).

Em Londres, principal mercado da Europa, o sentimento foi de maior cautela. O índice FTSE 100 fechou na maior queda do dia, de 0,65%, a 6.754,11 pontos.

Contribuiu para pressionar o índice a fala do presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Andrew Bailey, que afirmou que ainda é cedo para discutir a adoção de mais estímulos à economia britânica, em webinar promovido pela Câmara de Comércio da Escócia. Bailey projetou que os próximos meses serão "muito difíceis" no Reino Unido, por causa da pandemia.
Continua após publicidade

Já na Itália, a possibilidade de renúncia do premiê Giuseppe Conte tem sido observada por investidores. Segundo a Eurasia, em relatório enviado a clientes, é provável que uma crise política se inicie no país, culminando na saída do atual primeiro-ministro. O índice FTSE MIB, de Milão, fechou em baixa de 0,33%, a 22.646,07 pontos.

O índice CAC 40, de Paris, fechou em baixa de 0,20%, em 5.650,97 pontos. A exemplo da bolsa alemã, o setor automotivo também sustentou bom desempenho na França nesta terça, impedindo uma queda ainda maior do índice. Renault e Peugeot estiveram entre as maiores altas do dia, de 1,64% e 3,13%, respectivamente.

Em Madri, o índice Ibex 35 recuou 0,14%, a 8.345,90 pontos. Enquanto ações de bancos impediram uma maior queda do índice, com destaques para o Banco de Sabadell (+4,94%), o setor de energia renovável registrou perdas, com a Siemens Gamesa com a maior baixa do dia, de 4,90%.

Por fim, o PSI 20 de Lisboa recuou 0,21%, a 5.126,95 pontos.