Ação, Ações, Stocks, Bovespa, Mercado Financeiro, Opções

Mural de noticias da Alpha Fintec

Reuters: Bolsas dos EUA fecham perto da estabilidade antes de resultados corporativos
Os índices americanos fecharam em queda nesta segunda-feira, com baixo volume de negócios, com investidores esperando balanços de importantes companhias. O setor de energia foi o destaque positivo do mercado, amparado pela alta dos preços do petróleo. O Dow Jones caiu 0,18 por cento, o S&P 500 ganhou 0,10 por cento, e o Nasdaq subiu 0,22 por cento. nesta semana o mercado aguarda balanços de grandes empresas do S&P 500, como Boeing, Amazon e Facebook,

Os principais índices das bolsas dos Estados Unidos fecharam com discretas variações nesta segunda-feira, em dia de baixo volume de negócios, com investidores preferindo esperar as divulgações de balanços de importantes companhias.

O setor de energia foi o destaque positivo do mercado, amparado pela alta dos preços do petróleo.

O Dow Jones caiu 0,18 por cento, a 26.511 pontos. O S&P 500 ganhou 0,10 por cento, para 2.907 pontos. E o Nasdaq subiu 0,22 por cento, para 8.015 pontos.

O mercado aguarda os balanços de algumas das maiores empresas do S&P 500, como Boeing, Amazon.com e Facebook, previstos para esta semana. Os resultados podem amenizar temores de recessão nos resultados das companhias.

O volume negociado —o mais baixo até agora em 2019— também foi minguado pelo fato de alguns investidores ainda estarem fora das negociações após o feriado na sexta-feira nos EUA e porque os mercados fecharam em partes da Europa e Ásia nesta segunda.

Phil Orlando, estrategista-chefe de mercado de ações da Federated Investors, se disse encorajado pelos resultados trimestrais das empresas, apesar de a temporada de divulgações ainda estar no início.

Publicidade

“Até certo ponto, pode ser uma preocupação, porque sabemos que esta é uma grande semana em termos de balanços. Como será o tom geral da semana até sexta-feira?”, questionou Orlando.

Sete dos 11 índices setoriais do S&P 500 fecharam em queda, mas o de energia foi destaque de alta, com ganho de 2,1 por cento, o maior desde janeiro.

As ações das empresas do setor foram impulsionadas pela decisão de Washington de impor restrições maiores às exportações de petróleo do Irã, o que provocou um salto nos preços do petróleo.