Ação, Ações, Stocks, Bovespa, Mercado Financeiro, Opções

Mural de noticias da Alpha Fintec

Reuters: Lucro da Telefônica Brasil mais que dobra
A Telefônica Brasil, divulgou nesta quarta-feira lucro líquido do 2 Trimestre mais que duas vezes maior que o obtido um ano antes, impulsionado por ganhos fiscais. O salto foi ocasionado por efeitos da medida provisória 627, sancionada em maio e que promoveu uma série de mudanças tributárias sobre lucros no exterior de controladas de multinacionais do país.

Um dos maiores grupos de telecomunicações do país, a Telefônica Brasil, divulgou nesta quarta-feira lucro líquido do segundo trimestre mais que duas vezes maior que o obtido um ano antes, impulsionado por ganhos fiscais resultantes da entrada em vigor da medida provisória 627.

A companhia teve lucro líquido de R$ 1,993 bilhão, bem acima dos R$ 914,2 milhões obtidos no segundo trimestre de 2013.

O salto foi ocasionado por efeitos da medida provisória 627, sancionada em maio e que promoveu uma série de mudanças tributárias sobre lucros no exterior de controladas de multinacionais do país.

A medida também reabriu o Programa de Recuperação Fiscal (Refis) para alguns setores da economia.

Segundo o balanço da Telefônica Brasil, o efeito líquido da medida no resultado do segundo trimestre foi positivo em R$ 1,196 bilhão.

A empresa de telecomunicações teve geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de R$ 2,546 bilhões, recuo de 1,2% na mesma comparação. Analistas esperavam Ebitda de R$ 2,563 bilhões, em média, segundo pesquisa da Reuters.

A Telefônica Brasil fechou o segundo trimestre com receita líquida de R$ 8,617 bilhões, avanço anual de 1,5%, pressionado por recuos de 5,4% no faturamento com serviços de telefonia fixa e de 8,5% nas vendas de aparelhos.

A companhia investiu no segundo trimestre R$ 1,615 bilhão, alta de 29% sobre o mesmo período de 2013.

A base de linhas celulares avançou 4,1% no período, para 79,357 milhões, com avanço de 26,5% da base de usuários pós-pagos e recuo de 4,2% nos clientes pré-pagos.